Prática Autocura Tântrica NgalSo

 

A Prática de Autocura Tântrica NgalSo é uma prática espiritual de recitação e meditação. De acordo com a tradição Vajrayana do Budismo Tibetano, é uma prática de auto-iniciação dentro do tantra anuttarayoga, que significa o mais alto yoga tantra.

O principal objetivo do Budismo é eliminar nossa ignorância e egoísmo, o que significa eliminar o medo, o ciúme, o orgulho, a arrogância, a avareza, o ódio, a raiva, a aversão e assim por diante. Nosso objetivo final é desenvolver sabedoria e desenvolver nossas qualidades como o amor, a compaixão, a generosidade, a humildade, a paciência e assim por diante. Precisamos eliminar nossos venenos e desenvolver nossas qualidades não apenas em um nível grosseiro, mas acima de tudo, em um nível mais sutil, porque não basta apenas entender as coisas para realizá-las. Se bastasse apenas entender conceitualmente, as aulas de filosofia seriam suficientes para mudar nossa mente. Pelo contrário; uma vez que tenhamos entendido as coisas, precisamos nos familiarizar com elas em um nível sutil e espontâneo. E é para isso que temos práticas de meditação como a Prática de Autocura Tântrica NgalSo.

 

A Prática de Autocura Tântrica NgalSo ajuda a nos curar das doenças do corpo e da mente; não apenas dos sintomas, mas das causas do nosso sofrimento.
É uma prática espiritual, o que significa que ela visa desenvolver qualidades que transcendem esta vida e que nos ajudam a trabalhar em benefício de todos os seres sencientes.
As forças que usamos na Autocura para curar o corpo e a mente são o poder da meditação, o poder da familiarização, o poder da concentração, o poder da visualização, o poder da recitação, o poder do gesto, o poder da oração, o poder da bênção, o poder da verdade e o poder da interdependência.

Lama Gangchen Rinpoche começou a ensinar a Prática de Autocura Tântrica NgalSo no início da década de 1990, após ter tido visões na mandala da estupa de Borobudur em Java, na Indonésia. Esta mandala Vajrayana tridimensional é onde os cinco Dhyani Buddhas – os Curadores Supremos, como Rinpoche os chama – e as cinco Grandes Mães residem. Ele viu a prática da Autocura na mandala de Borobudur. Portanto, a Autocura não foi criada em um processo lógico, mas é perfeitamente estruturada como todas as práticas tântricas.